Publicidade

Raul Juste Lores

Cidades globais

Perfil Raul Juste Lores é correspondente da Folha em Nova York

Perfil completo

Os vasinhos do shopping de Higienópolis

Por Raul Juste Lores
08/06/12 09:51

Estranha a cena ao lado, não? Vasinhos de plantas foram instalados como barreira aos pedestres na entrada do shopping Pátio Higienópolis.

Há um misterioso cartaz dizendo que o local está em obras, mas não vi nada parecido a uma. O site do shopping não diz nada. Melhor protestar agora para não esperar o pior.

Desde sua fundação, os pedestres podiam entrar diretamente no shopping, a calçada se estendia até a recuada construção. Imagino que os motoristas que saem do estacionamento devem ter reclamado de ter que esperar os pedestres passarem pela faixa.

O pedestre precisa agora dar uma volta para voltar à calçada. Pode parecer pouco, mas é o tipo de obra que São Paulo faz há décadas em diversas avenidas. Deixa o caminho livre para os carros acelerarem e constrói passarelas, que tomam o dobro ou triplo do tempo, para que o pedestre possa ir de uma calçada a outra. Para ninguém ter dúvida de quem tem prioridade. E para sugerir que é melhor sair de casa de carro. Deu no que deu.

 

 

 

 

Assim, o pobre Pátio Higienópolis vira primo do Cidade Jardim, aquele sem entrada para pedestres. Na contramão do mundo rico, que esses shoppings sonham em mimetizar, onde calçadas são alargadas e o espaço para carros encolhe — basta uma visita a Nova York ou Paris. Mas, em francês, só mesmo a campanha do Dia dos Namorados do lugar.

Felizmente, o atraso não vem mascarado sob o signo do ‘luxo’, tão caro aos shoppings da cidade: os tais vasinhos são uma cafonice só. E pensar que esse shopping nasceu mais discreto, recuado, e prometendo preservar os casarões antigos vizinhos para amainar a resistência de uma das vizinhanças mais zelosas de São Paulo. Tomara que a tal reforma devolva a prioridade ao pedestre _ isso, sim, sinônimo de contemporaneidade e de luxo.

 

  • Comentários
  • Facebook

17 comentários feitos no blog

  1. Liane Maria Faccio comentou em 11/06/12 at 11:41

    Só falta instalarem a coleta de digitais a que o Cidade Jardim submete quem ousa chegar lá de ônibus. Fui obrigada a ir lá entrevistar um lojista em março e só pude entrar após deixar minhas digitais no sistema do shopping. Fiquei pensando: e se uma quadrilha profissa rouba os arquivos de digitais desse lugar metido à besta para uso criminoso um dia?

  2. Bruno comentou em 09/06/12 at 2:37

    Creio que é exatamente esse o motivo dos vasos, pois frequento o local como pedestre e motorista. A travessia de pessoas, próxima à saída dos carros, causava congestionamento nas rampas – muito íngremes – do estacionamento. Não defendendo os carros, só vejo que entenderam mal a atitude do shopping. Rampas muito acentuadas e congestionadas podem causar pequenos acidentes.

  3. Edson comentou em 09/06/12 at 1:01

    Que coisa meiga vasinhos do shopping kkkkkkk gosto mesmo do ARICANDUVA. estacionamento c/ vagas que cabem uns 10 transatlanticos e o melhor GRATIS, os preços mais baratos e o pedestre tem por onde passar.

  4. claudia anfimof comentou em 08/06/12 at 21:53

    Assim como a Rua Paulo Gontijo de Carvalho em Pinheiros colocou um monte de pilares na calçada, proibindo os pedrestres de atravessarem onde quiserem, além de que quem quer manobrar o carro tem que fazer malabarismo, pois é uma viela. Reclamar na prefeitura? Já fiz, mas é Pinheiros, deixe eles fazerem o que quiserem!

  5. Paulo comentou em 08/06/12 at 20:31

    Essa e a estupida mentalidade do brasileiro rico or pseudo rico! Que ate viaja para cidades civilizadas do mundo e nao percebe a diferenca…

  6. Thiago comentou em 08/06/12 at 19:55

    Muito boa a atitude do shopping. A passagem dos pedestres no local fazia com que um grande congestionamento se formasse nas íngremes rampas que ligam os subsolos do shopping à Av. Higienópolis. Vou ao shopping vezes de carro e outras caminhando, e acredito que o benefício gerado é superior ao alegado desconforto pelos passos extras dados pelo pedestre.
    Abraço!

    • Bruno comentou em 09/06/12 at 2:35

      Creio que é exatamente esse o motivo dos vasos, pois frequento o local como pedestre e motorista. A travessia de pessoas, próxima à saída dos carros, causava congestionamento nas rampas – muito íngremes – do estacionamento. Não defendendo os carros, só vejo que entenderam mal a atitude do shopping. Rampas muito acentuadas e congestionadas podem causar pequenos acidentes.

  7. Marcos Palmeira comentou em 08/06/12 at 19:03

    Deselegante.

  8. Regina Silva comentou em 08/06/12 at 18:49

    Estive esta semana neste shopping com meu filho e notei o incômodo. Na saída tivemos de dar uma volta enorme, debaixo de chuva, para chegar à calçada. Não sei qual o motivo da mudança e de colocarem tapumes para impedir a passagem do pedestre, mas, foi no mínimo muito antipático.

  9. Francisco Antero comentou em 08/06/12 at 18:13
  10. Geraldo comentou em 08/06/12 at 17:51

    Isto ai é o medo dos assaltantes de joalherias combinado com uma alta dose de elitismo e desrespeito ao pedestre.

  11. mari comentou em 08/06/12 at 17:43

    Nossa, q drama, precisa dar dois passos a mais para atravessar a rua … e depois reclama que está obesa!

  12. Henrique comentou em 08/06/12 at 16:37

    Não vi problema nenhum.

  13. BetoZéLelé comentou em 08/06/12 at 15:14

    Camaradas, somos mal-educados e toscos, nelientes e hipócritas. Coisas dessa natureza afrontam o código de posturas de qualquer lugar. Simples: aplica-se a lei.

  14. Sylvio Haas comentou em 08/06/12 at 14:52

    Ótimo comentário. O Brasil SEMPRE prioriza os carros. Há ruas (Clélia e Turiaçu, p. exemplo) em que a distância média entre pontos de ônibus fica em torno de 500 m (!!!), e a razão disso é não interromper em demasia o fluxo do trânsito. O pedestre que se vire.

  15. Dum de Lucca comentou em 08/06/12 at 12:58

    affffff

  16. ivi comentou em 08/06/12 at 11:04

    Há tempos aqui no Brasil, riqueza e ignorância andam juntas. Por exemplo, O ‘luxo’ por aqui é modelo de taxi em outros países…E o pior é que, essa tal “gente rica” viaja o mundo todo, mas só para comprar em ‘outlets’…é um luxo ser sacoleiro!!

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Folha Shop